Página Inicial
Galeria de fotos
Galerias
Livros publicados
Livros
Prêmios
Prêmios
Livros publicados
Crítica
Livros publicados
Contatos
Trasncriações
Trans-
criações

Poemas

NARCISO DE JOELHOS

Não fossem os relógios,
não fossem os calendários,
talvez não houvesse pressa.

O dia seria sempre
o mesmo dia.
A noite seria sempre
a mesma noite.
E as palavras não seriam essas
dos livros e tratados.

Talvez fôssemos eternos
nos outros de nós mesmos.
E os outros seriam sempre
mais, os outros de outros,
num mosaico sem fim.

Sim, viver seria servir
em escala infinita,
não fossem os relógios,
não fossem os calendários
que nos abrigam
em porções mínimas
de fuga contínua.

Alcides Buss


EquipeDigital.com